Entrevista com o Lucas, estudante de Medicina da USP Pinheiros

O nosso post “Vou prestar medicina. E agora?” gerou boas discussões no Twitter. Teve gente que ficou um pouco assustada e outros que agradeceram por terem sido “acordados” pelas nossas dicas. Ficamos tão felizes com a repercussão do post que resolvemos fazer uma entrevista com o tal do meu irmão que passou em Medicina =) Publicamos agora na íntegra as respostas que ele deu com exclusividade para a EscreverOnline. São dicas preciosas para quem está se preparando para o vestibular no geral e, especificamente, para quem quer fazer Medicina. Se tiverem dúvidas, postem nos comentários. Estaremos acompanhando e vamos passar as dúvidas mais pertinentes para nosso entrevistado responder.

Entrevista com Lucas Gonçalves Nakazoni, 24 anos, cursando Medicina na USP Pinheiros (pode procurar o nome dele no google pra comprovar! =)

1) Quando você pensou em prestar medicina, você tinha noção do que iria enfrentar?
Olá a todos que acompanham o blog da EscreverOnline! Escolher a profissão é, sem dúvida, uma das decisões mais difíceis que temos que tomar na vida. Comigo, obviamente, também foi assim. Comecei a pensar em Medicina somente no terceiro ano do colegial em um verdadeiro processo de exclusão: as matérias que eu mais gostava eram as exatas, além da biologia e, portanto, meu leque de opções ficou mais restrito. Acabei optando pela Medicina e pasmem: eu não tinha a menor idéia do desafio que enfrentaria! Apesar de ter boas notas durante todo o Ensino Médio, minha primeira tentativa foi decepcionante. No ano seguinte comecei a fazer cursinho no período noturno e, embora tenha estudado bastante, não fiquei nem perto de passar. Essa foi a segunda grande decepção. No ano seguinte, consegui uma bolsa de estudos que permitiu que eu fizesse o curso diurno, que tem um nível melhor em comparação com o noturno. Estudei muito e meu desempenho foi bom: fiquei na lista de espera. Foi bom, mas não suficiente já que a lista não rodou até a minha posição (crueldade ou não, chamaram até 2 posições imediatamente acima da minha…). E a terceira grande decepção também chegou. Apesar das derrotas consecutivas, não desisti: respirei fundo e parti para o meu terceiro ano de cursinho. Tive a sorte de conseguir uma bolsa integral, o que aliviou um pouco o peso na consciência por estar fazendo mais um ano de cursinho. E, finalmente, todo o esforço foi recompensado: depois de três decepções, passei!

2) Qual era a sua rotina de estudos?
No primeiro ano (cursinho noturno), eu costumava chegar às 23h do cursinho e já começava a estudar; eu fazia um esquema meio estranho de estudar de madrugada e acordar mais tarde no dia seguinte. Estudava até umas 2, 3 horas da madrugada e acordava lá pelas 10 horas do outro dia. Almoçava e estudava no período da tarde até dar a hora de ir para o cursinho. No segundo ano e também no terceiro (cursinho diurno), eu chegava do cursinho e estudava das 15h até umas 22h, aproximadamente.

3) Quais pontos você considera como mais importantes para você ter passado em Medicina?
Quem quer Medicina e tem um mínimo de consciência estuda MUITO. Então, para ser um candidato competitivo você precisa dominar dois pontos da matéria: o “básico” e o “diferencial”. O “básico” engloba as matérias que todos os candidatos que querem Medicina geralmente gostam e estudam muito: física, química e, claro, biologia. Já o “diferencial”, sem dúvidas, é português e redação; a explicação é simples: são as piores médias na segunda fase da FUVEST! Sim, as pessoas tiram notas menores em português e redação do que em física e química. Dessa forma, português e redação tornam-se diferenciais importantíssimos para o candidato já que, nas matérias “básicas”, as notas são muito parecidas (e altas!)…

4) Em quais universidades você passou?
Em primeira chamada, passei na USP (Pinheiros) que foi a que, de fato, decidi cursar. Também fiquei na lista de espera de outras (Unicamp, Unesp e Unifesp) em posições muito boas. Também passei na Ufscar e na UFABC, mas para outros cursos.

5) Valeu a pena todo o esforço?
Com certeza. A sensação de vitória depois de tantos obstáculos, desafios e decepções é inigualável. Além disso, a Medicina é uma área muito recompensadora: ter conhecimento para poder ajudar alguém que está sofrendo é muito bacana. 

6) Brevemente, que dicas você daria para aqueles que, como você, escolheram iniciar uma carreira na Medicina e estão se preparando hoje para o vestibular?
A vida de um estudante de Medicina é muito dura. Passar no vestibular – principalmente de Medicina – é um grande feito, mas não quer dizer que sua vida será um paraíso depois disso. Durante a graduação você também terá que estudar muito (principalmente a partir do quarto ano) e a carga horária é pesada (por ser um curso integral). Por isso, acho que se você quer Medicina exclusivamente pelo retorno financeiro, cuidado. Pessoalmente, acho que existem outras áreas nas quais você precisa se esforçar menos para ganhar dinheiro. Não que um médico ganhe mal; o problema é que ganha ao custo de um grande esforço e trabalho. Portanto, se você não é minimamente vocacionado, comece a pensar que talvez essa não seja a melhor área para você. Em relação ao vestibular a dica é não desistir e perseverar. Vestibular é treino. Além disso, tenha consciência de que você está competindo com pessoas que estudam muito, portanto, leve a sério seus estudos e faça por merecer. Sua vaga está lá, esperando para ser ocupada! 

Grande abraço a todos e boa sorte nas provas!

 

Gostou da entrevista? Não esqueça de compartilhar! Quem sabe você não ajuda alguém que está precisando de um novo ânimo para encarar os estudos? Compartilhe informação de qualidade! Até o próximo post! =)

[fbshare type="button"]

3 Comments

  1. Muito bom. Boas dicas. Thank you.

  2. gostei muito , tambem quero ser medico.. acho esta profissao maravilhosa ……

  3. poxa gostei muito mesmo dessa historia
    desse rapaz .
    era o q eu precisava de animo para estudar
    e gosto muito da medicina poxa ao mesmo tempo fikei triste
    gosto muito memso da biologia
    mas fisica e quimica sempre tive dificuldade .
    mas eu sempre quiz medicina mas
    na especialização de pediatria
    sempre gostei muito de criança e optei por esa area .
    meu sonho e de ser a furtura pediatra do brasil
    e alias todas as pessoas conseguem ver em meu perfil de pessoa q eu quero muito ser pediatra .

Deixe uma resposta