Para cursar uma boa universidade você precisa ter mais do que apenas conhecimento específico da matéria que mais vai utilizar em sua vida acadêmica. Assim, um engenheiro vai precisar de muita matemática, mas não é só isso. Um médico vai precisar saber muito sobre biologia, mas não é só isso.

É sabido que no percurso até a graduação há relatórios, trabalhos escritos, trabalhos de conclusão de curso, pôsteres, painéis, etc. E depois de formados continuamos inseridos em uma sociedade que preza pela escrita. Não é raro ver advogados, médicos, engenheiros formados recorrendo a cursos de português para aprimorarem a escrita por uma necessidade real do ambiente de trabalho.

Escrever bem não é um conhecimento como, por exemplo, saber resolver uma equação de segundo grau. Escrever é mais que um conhecimento propriamente, é uma habilidade, é uma prova de que você está em sintonia com o mundo em que vive e sabe se expressar diante dele. Não é isso que as empresas de Recursos Humanos exigem de seus candidatos hoje? Esse “saber se expressar” significa muito e é, muitas vezes, o que difere os grandes dos pequenos.

Logo, a redação não é apenas mais uma matéria que cai no vestibular. Saber escrever, se expressar, relacionar ideias, criar argumentos, articular soluções são habilidades que serão exigidas de nós a todo tempo. Se pensarmos no vestibular como o início da passagem para uma vida adulta, podemos considerar a redação como uma amostra daquilo que faremos constantemente como profissionais adultos: resolver problemas.

De forma bastante simplista, a redação tem essa função. É por isso que alguns vestibulares hoje preferem trabalhar com diferentes gêneros textuais (editoriais, verbetes, comentários em sites, entrevistas, artigos de opinião, etc.) em detrimento da clássica dissertação, um gênero quase que exclusivamente escolar. Cada vez mais a redação mostra a sua importância. Nos cursos de alta demanda (que têm concorrência muito alta) a redação é, quase sempre, o fator de desempate. Há pessoas que se garantem em todas as matérias, tiram notas altíssimas nos testes e nas questões dissertativas, mas na hora de fazer a redação acabam deslizando.

Queremos mostrar a vocês que a redação não é um bicho de sete cabeças. Ela também não é tão subjetiva quanto pensamos que seja. Há técnicas, teorias e informações que você precisa saber para escrever bem e que você só aprende com estudo e, principalmente, com muita prática. Continue acompanhando o nosso blog para obter informações importantes sobre o vasto universo da redação. A partir das próximas semanas abordaremos aqui algumas técnicas super interessantes para escrever bem!

Gostou do post? Compartilhe com seus amigos. Compartilhe informação de qualidade.

Até semana que vem!

 

Treine redação online para o Enem em nossa comunidade gratuitaTenha seus textos corrigidos por membros da comunidade e melhore seu resultado semana após semana.